Banho frio de novo!

Durante meus 25 anos morando no Brasil nunca morei em uma casa que não tivesse ducha elétrica, nunca dormi na casa de amigas, tios, avós ou qualquer pessoa que não tivesse ducha elétrica. Na minha ignorância eu achava que todo mundo do mundo tinha água quente para tomar banho como um item básico.

Pouco antes de me mudar para o Peru, me deparei com a realidade de que mesmo na capital do país, muita, muita, muita gente tomava banho frio. Para mim pareceu loucura, afinal Lima é fria a maior parte dos meses do ano. Comprei um equipamento para ter banho quente, antes mesmo de ir para o país. Durou pouco, porque tive que mudar várias vezes e o equipamento não servia em todas as casas. Encontrei apartamentos com água quente e acabei esquecendo do assunto.

No penúltimo lugar que morei lá em Lima, me deparei novamente com a água fria novamente e tive que enfrentar, não estava disposta a tomar banho de canequinha, era "verão", mas mesmo com toda a intenção de enfrentar eu não sabia o que fazer para tomar banho frio sem gritar. Então o Google, salvador da pátria dos ignorantes, me mostrou um blog quando digitei "Como tomar banho frio". Li o passo a passo umas 4 vezes. Memorizei e enfrentei... e funcionou! Me senti vitoriosa.

Voltei para o Brasil e meus dias de banho frio ficaram no passado por 1 ano e meio. Então decidi dedicar a minha vida ao trabalho missionário além-mar. Meu treinamento para a missão foi na África do Sul e todos os lugares que dormi, inclusive um acampamento nas montanhas, tinham água quente no chuveiro! Nem podia acreditar.

Terminado o mês de treinamento, embarquei rumo ao Camboja e fui informada que ficaria por três semanas na capital Phnom Penh, hospedada num quarto no edifício da ADRA Camboja. Adivinha? Tinha água quente! E com isso fui esquecendo, novamente, que existia gente tomando banho frio pelo mundo a fora.

Foi então que chegou o dia de deixar a capital e ir para a base do projeto, no interior do país. Você já sabe o que aconteceu. Adeus banho quente! Mas sabe... dessa vez não tive nenhum problema, nem tristeza, levei como algo irrelevante. Afinal, eu aprendi! Lá atrás, 3 anos atrás... eu aprendi!

Quando Deus colocou a ida para o Peru na minha vida, era com o objetivo de me preparar para enfrentar o que viria e ainda virá. Se eu tivesse vindo diretamente do Brasil para o Camboja sei que passaria muito tempo reclamando e vendo o lado negativo, mas a experiência no Peru me ensinou que existe muita coisa diferente das que conheço, e se olho pra tudo comparando com as do meu país vou viver sofrendo e ansiando voltar pra casa.

Entendi que olhar para as diferenças como diferenças e não como defeitos, me ajuda a ver o lado positivo da vida e esse é o lado que quero contemplar sempre, seja com banho frio, banho de rio, ou até mesmo sem banho!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário Camboja: Um flash de corrupção em Phnom Penh

Você gostaria de viajar para a Ásia?

Método para estudar a Bíblia em 5 passos