Diário Camboja: Primeiras Horas


Passei três semanas em treinamento intensivo com mais 13 missionários, estudamos a Bíblia, oramos bastante juntos, escutamos testemunhos e histórias de missão, trabalhamos em grupo, aprendemos sobre cultura... Foram semanas de grandes bênçãos! Mas chegou a hora de ir para o campo missionário e no diário de hoje quero te contar o que aconteceu no primeiro voo e depois o que aconteceu quando passei pelo balcão de imigração no aeroporto do Camboja.

Bíblia no avião
Antes de entrar no carro para ir para o aeroporto, eu estava decidida que leria minha Bíblia no avião, então antes de me sentar tirei ela da mochila e me sentei para começar a ler. Como fomos incentivados a estudar o livro de Atos, para entender como os discípulos começaram a jornada como missionários, abri nesse livro e comecei a ler. Mas daí lembrei que o “Uncle Dale” (outro dia te conto mais sobre ele), também havia nos dito que estudássemos o livro de Lucas – mesmo autor de Atos. Então, deixei atos e fui pra Lucas, a leitura estava meio complicada porque eu tinha que estudar, entender, por isso demorei um bom tempo no capítulo 1.

Foi aí que o senhor que estava sentado do meu lado, Laban – Queniano, olhou pra mim e disse apontando pra Bíblia que aquele texto da Bíblia tinha falado com ele. Ele tinha lido a outra metade, era a oração de Maria depois que ela soube que seria a mãe do redentor do mundo. Passamos um bom tempo conversando sobre a Bíblia. E terminei dizendo pra ele que, uma vez que Deus nos abençoa precisamos abençoar a vida das pessoas, ele ficou muito feliz, disse que vai estudar a Bíblia, e pediu uma oração antes descermos do avião.

Na Imigração
Já tinha conseguido meu visto, só faltava passar pela imigração pra poder pegar minhas malas e sair do aeroporto. Eu estava menos apreensiva porque o visto já estava garantido, mas passar nesses balcões sempre me faz ficar meio estranha. Entreguei meus documentos para a jovem que me atendeu, ela fez algumas perguntas, leu a minha carta-convite, e antes de me devolver o passaporte, olhou pra mim e perguntou se eu era voluntária. Como não há riscos, respondi que sim, ela sorriu e disse “obrigada por vir ajudar o meu país”, você consegue imaginar a minha alegria? Olhei bem pra ela e respondi, “se recebemos bênçãos, precisamos ser bênção para os demais” ela balançou a cabeça com sinal de afirmação e nos despedimos.

Olha só esse verso: “Ninguém pode vir a mim (Jesus falando) se o Pai, que me enviou, não o trouxer (...)” – João 6:44, Deus envia pessoas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Por que vou para o Peru?

Diário Camboja: Um flash de corrupção em Phnom Penh

Eu vou morar nas Filipinas