A "Nova" Parábola do Semeador


Havia um homem chamado Pedro, ele tinha quatro filhos, sendo duas mulheres e dois homens. Pedro era um bom homem, seguia a lei de Deus, ajudava os mais necessitados, era bom pai, bom esposo, na igreja era respeitado e admirado por todos, em todos os lugares que ia às pessoas logo percebiam que ele era cristão.
Quando seus filhos nasceram, dedicou-os à Deus e prometeu ensinar-lhes tudo quanto havia aprendido não caminhos do Senhor.
A primeira filha era Maria, durante toda a adolescência teve muitos problemas, principalmente na escola, porque achava tudo difícil demais, não tinha concentração na que lhe era ensinado. Fora batizada por insistência da mãe. Aos vinte anos se casou com rapaz não-cristão, os pais dela tinham esperança que por influência dela, ele se tornasse cristão. Mas após sair do domínio dos pais, Maria decidiu ir à igreja só aos sábados e chegar tarde. Pensava ela ser muito difícil compreender profecias, símbolos, parábolas, enfim, para ela a Bíblia era incompreensível. Com o tempo acabou deixando a vida cristã e passou a viver de maneira mais “fácil”.
Paulo, o segundo filho, era um bom filho, os pais se orgulhavam dele, estudioso e exemplar. Sempre estudara em colégios cristãos, durante o estudo regular a religião esteve presente no seu dia-a-dia; no dia do seu batismo, estava muito feliz, estava certo de este ser o caminho. Ao terminar o ensino médio, conseguiu uma ótima nota numa universidade publica, todos se orgulharam ainda mais dele. Quando começou a estudar se deparou com: evolucionismo, ateus, e pessoas que desafiavam sua certeza naquilo que havia aprendido tanto na escola, quanto na igreja. No inicio ele foi forte, mas com o tempo a pressão e a perseguição aumentavam e se tornou mito difícil manter a fé. Era quase impossível não ir a aula aos sábados, afinal perderia notas e poderia ate repetir, e a oportunidade de estar numa universidade publica era única, não poderia jogar fora anos de estudo .
Decidiu ter uma vida dupla, ir à igreja, e enquanto estivesse com os amigos cristãos, concordaria com eles, e quando estivesse com os amigos da faculdade, concordaria com as teses deles. Mas não poderia ficar nesse por muito tempo teria que decidir. E decidiu, preferiu os estudos.
Ester era a terceira filha, vaidosa, estava sempre muito preocupada com a moda e as tendências. Estando sempre no meio cristão, durante a adolescência não passava muito dos limites esperados. Logo que chegou a juventude, as coisas mudaram, ela via as suas amigas usando jóias, maquiagem, esmaltes; e tudo aquilo lhe fazia brilhar os olhos! Tinha muita vontade de ser igual, mas seu pai não permitia, e ela se conformava; às vezes!Quando começou a trabalhar gastava todo o seu dinheiro com roupas sapatos, e outras coisas um tanto quanto fúteis. Com amor seu pai dizia o que era certo, mas ela achava o cristianismo muito chato e sem graça, pensava: porque não usar um brinco discreto? E um anel que mal faria? Não ia afastá-la de Deus. Resolveu então que seria sincera com seu pai, lhe diria que furaria a orelha e não havia o que a pudesse impedir. O pai ficou muito triste, mas a salvação dela não dependia mais dele, tudo o que fora possível ele havia feito, ela tinha direito de escolha e escolheu o mundo.
A última era Andréia, não era tão boa aluna quanto Paulo, mas na matéria de religião no colégio era sempre a melhor, se concentrava, debatia, sempre fazia ano bíblico, lia muitos livros, e era muito dedicada. Com o passar do tempo ela ficava cada vez mais interessada em descobrir mais sobre a palavra de Deus, os grandes heróis, os patriarcas, os profetas, os reis, queria ser tão sábia quanto Salomão, decorou vários versos e todas a suas conversas sempre terminavam em religião. Aos dezenove anos começou a cursar teologia, ficou fascinada com as matérias, sempre tirava as melhores notas. Formou-se com louvor e se tornou professora de religião, era quase um sonho. Aos vinte e cinco anos se casou com um pastor, continuou estudando até se tornar Doutora em teologia.
Deus permite que cada filho seu decida o caminho em que deseja andar, todos nós temos direito de escolha, mas as conseqüências de nossas escolhas não podemos escolher. Qual das filhas você gostaria de ser? Com Jesus somos um e por isso somos sempre os melhores, mesmo que o mundo diga o contrario. Não esqueça que Deus quer te salvar! E você quer ser salvo?

(Por Aline Piologro em 2007)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu vou morar nas Filipinas

Por que vou para o Peru?

Diário Camboja: Um flash de corrupção em Phnom Penh